Manifesto da Economia da Recorrência

Manifesto da Economia da Recorrência

O manifesto

A economia da recorrência é a transformação das relações comerciais entre consumidores, empresas e segmentos, baseando o consumo em acesso, não em propriedade. A economia da recorrência é a economia da subscrição (das assinaturas).

“Devemos pagar por serviços pensados na utilidade, conveniência e comodidade do consumidor”.

E isso requer a criação de uma nova economia. Aquela que não limita relacionamentos comerciais através de contratos, fidelidades ou carências. A relação deve basear-se no bom serviço prestado através de uma renovação periódica. Sem parcelamentos, acordos burocráticos ou multas por quebra de contrato.

A economia da recorrência é a transformação da venda de produtos simplesmente, para as relações sustentáveis” – Tien, Founder – ZUORA.

A economia da recorrência é o “ganha ganha” entre empresas e clientes. Empresas como Salesforce, Netflix, Spotify, Sem Parar, Zendesk, Mailchimp, Zuora, SmartFit entre outras milhares, já transformam o mundo através dessa nova economia.

economia da recorrencia
Por esse príncipio, o manifesto da economia da recorrência contempla algumas regras para que empresas possam fazer parte desse grupo que promove a criação de uma nova economia e sustenta o subscription business model:

1. Simplicidade na adesão e no cancelamento;
2. Precificação baseadas em consumo, tabelas ou ranges;
3. Serviços transparentes (sem “contratos leoninos”);
4. Serviços e produtos “as a service” (direitos de acesso e não propriedade);
5. Conveniência, comodidade e utilidade.

“As empresas de software precisam entender o modelo, ou vão morrer” – Mike Dinsdale, Docusign.

A economia da recorrência, é a promoção da transparência entre empresas e consumidores. Rodrigo Dantas CEO – Vindi

Quer fazer parte dessa nova economia?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clube da Cerveja
Up Next:

Clubes de Cerveja crescem 100% em 2012

Clubes de Cerveja crescem 100% em 2012